Última Página

Última Página

Francisco Cunha

O início do fim da crise (junho)

Com a divulgação dos números do IBGE para o primeiro trimestre do ano, uma esperança se acendeu no painel da crise: a queda do PIB parece ter batido no fundo do poço no quarto trimestre de 2015 (-5,9% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior) e a recuperação parece ter-se iniciado no primeiro trimestre de 2016 (-5,4%). É pouca coisa, mas é a primeira vez que há uma redução da queda em relação ao trimestre anterior desde o final de 2014.
Se essa tendência vier mesmo a se confirmar no segundo trimestre de 2016, será uma evidência de que a recessão purgativa que tivemos que sofrer por conta do descontrole da inflação terá surtido seu efeito (a taxa que em 2016 superou os dois dígitos, já começou a recuar em direção ao teto da meta que é 6,5% ao ano). Isso, acrescido da sinalização dada pelo novo governo de início do controle do desarranjo fiscal de curto prazo, pode ser a senha do retorno da confiança dos agentes econômicos (que consomem e que investem), sem a qual nenhuma recuperação econômica é possível. A esse respeito, o ICC (Índice de Confiança do Consumidor) da FGV parece também já ter saído do fundo do poço em maio passado (subiu de 64,4 em abril – o menor da série histórica cujo máximo foi 127,8 em abril/2012 – para 67,9 em maio).
O sentimento de uma boa parcela dos analistas econômicos é o de que, se essa tendência de recuperação se firma, teremos um segundo semestre melhor e um final do ano superior ao do ano passado. Vamos torcer, então, por este cenário econômico de curto prazo e, do ponto de vista empresarial, continuar aguentando o tranco desta recessão que já se configura como a pior desde 1930. Uma coisa é certa: quando essa crise, de fato, passar, do ponto de vista econômico, teremos tanto um País quanto empresas melhores e mais eficientes. O desafio é superar a crise e conseguir sair no fim do túnel em melhor estado geral do que quando entramos…
No médio prazo, todavia, uma questão avulta como crucial para o futuro do País: a reforma política. Segundo o cientista político Murillo de Aragão, “a Lava-Jato tem o condão de simplesmente destroçar o sistema político brasileiro”. Ela veio deixar meridianamente claro que o sistema político-partidário-eleitoral do País está falido. Se não conseguirmos reformá-lo a tempo, a crise conjuntural pode até ser ultrapassada, mas a estrutural, não. Mais cedo do que tarde vamos nos ver às voltas com novos dissabores…

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon