A arte de aprender com as críticas – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

A arte de aprender com as críticas

Já houve um tempo em que o ato de escrever era submetido a condições restritas. Uma delas obrigava o pretenso escritor ser um indivíduo talentoso e ungido pela benção da inspiração, espécie de sopro divino que o distinguia dos simples mortais para dotá-lo de clarividência capaz de exercer a literatura, dentre as formas de expressão das artes.
A outra condição imposta aos afeitos ao ofício da escrita, em priscas eras, também considerava imperiosa a reclusão do escriba num local longe do mundo e das pessoas. Em resumo, para ser escritor seria preciso ter talento, a tal inspiração, e para escrever, teria que se enfurnar num esconderijo qualquer.

A rigor, com a marcha inexorável do tempo, tais conceitos ruíram, embora aqui e ali apareça quem tente soerguê-los. Para os que militam no âmbito da escrita, uma carreira literária se faz de labor e persistência. A esta assertiva, acrescentam: “O gênio é 1% inspiração, 99% transpiração”.

Existe quem afirme que a inspiração está na origem da trama ou enredo, escolha do tema, na criação dos personagens e tudo mais é creditado à materialidade da escrita, transformada em trabalho intenso e permanente: escrita, reescrita, revisão, reescrita, revisão, reescrita… É um ofício interminável, que tomará meses ou anos, às vezes, para consolidar uma única obra.

O fator isolamento também passou a ser questionado. É possível ao aficionado da escrita captar uma frase, um verso, uma ideia, em meio a uma conversa de mesa de bar, viagem de trem, dirigindo automóvel e anotá-la num pedaço de papel qualquer, quem sabe num guardanapo ou no telefone móvel, para usá-la no momento devido, sentado diante da página em branco ou do teclado de um computador, e assim produzir um texto na esperança de que alguém, em algum lugar, em algum tempo, se disponha a ler.

No apoio às tarefas de escrever, reescrever, revisar, reescrever, mora a essência de uma oficina de criação literária. Ali o antigo conceito do isolamento sucumbe diante do compartilhamento das ideias, acolhimento de sugestões, experimentos e o disseminar do conhecimento. Neste processo, a partir da leitura de outros escritores, surgem as alternativas focadas nas técnicas de composição, em conteúdo e estética, que refinam as peças literárias.

Não é fácil chegar à notoriedade pela prática do escrever. Mesmo os que vencem costumeiros concursos oficiais, veem seu texto publicado em forma de livro, recebem os prêmios, algum destaque na mídia, (subordinado aos espaços existentes) e pronto: saem de cena.

Em condições normais, o autor levará anos para obter algum tipo de reconhecimento, e muito mais tempo para ganhar algum dinheiro com o que escreve. O tempo e esforço serão maiores do que qualquer retorno pessoal. As horas investidas, trabalhando sobre o texto, vão experimentar críticas amargas, que, todavia não deve contribuir para arrefecer seu entusiasmo.
É possível, no entanto, que ao participar de uma oficina tais obstáculos sejam atenuados no caminhar do escritor. Formados de pessoas apegadas ao hábito de ler e escrever, os grupos de oficina trabalham no sentido de fazer da estética sua missão precípua.

A paixão pela arte, cultivada no âmbito de cada oficina, entretanto, não deve abraçar exageros, como pregava Gustave Flaubert, que afirmava “ser mais emocionante encontrar uma bela frase de que amar uma bela mulher”, sinal do Realismo que mais tarde, segundo críticos da época, se transformaria em movimento literário, sendo Flaubert seu grande ícone.

Mas voltando ao exercício das oficinas, é interessante destacar a convivência fraterna, o compromisso de ajuda mútua, aliadas à busca dos mesmos ideais, presentes no nosso grupo de estudos. É comum a troca de livros, o intercâmbio de textos, dicas de pesquisas, a ação compartilhada pela solução de dúvidas etc., atitudes que exercem certo fascínio entre os participantes e dão origem à construção de sólidas amizades.

A prática recente das oficinas de criação literária por aqui foi inaugurada pelo premiado escritor Raimundo Carrero. Inovador em intenções e gestos, estudioso das técnicas de ficção literária, carrega dentre as incontáveis virtudes do seu perfil o fato de disseminar o que sabe, sem guardar para si o fruto das suas análises e pesquisas.

E foi da oficina de criação literária conduzida por Carrero que surgiram e se aperfeiçoaram expressivos nomes à literatura, gente exitosa em certames de diversos gêneros. Nesse clima, frequentamos com a devida assiduidade as suas aulas de 2000 a 2010, armazenando os ensinamentos, acumulando experiências, hoje transferidas a duas turmas de participantes presenciais e um grupo via internet.

Mantendo os passos aprendidos na caminhada ao lado dele, estamos cientes que cabe ao participante de uma oficina despir-se de vaidade, a submeter-se à orientação crítica dos mais experientes. Do lado do facilitador, é fundamental gerir as suscetibilidades, ao mesmo tempo entender que o novo escritor precisa de estímulo, ou no máximo um discreto elogio que sirva de incentivo para conduzi-lo às próximas frases, considerando que o elogio não tornará a sua escrita melhor, mas que trará a consciência da contínua necessidade de se aperfeiçoar.

Nesses seis anos de atividades, a Oficina Literária Paulo Caldas lançou com o selo Novo cenário das letras em Pernambuco, publicou em 2013 pelas Edições Bagaço os títulos Na escuridão das brenhas, Roberto Beltrão. Presenças, de Maria Batista Almeida. Amor e traições, de Maria Duarte. Doce amargo, de Newma Cinthia Cunha. Minimalidades, de Rômulo César Melo e Um certo capitão Vidraça, de Márcio de Mello. Em 2014, trouxe ao público a coletânea de contos Viva Carrero e em 2015 a coletânea temática Todo amor vale a pena. O grupo mantem no Facebook a página Oficina Literária Paulo Caldas.

*Paulo Caldas é escritor

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon