A difícil missão do ministério Temer – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

A difícil missão do ministério Temer

O cenário de crise econômica (composta por ingredientes que vieram da queda do mercado internacional, corrupção e decisões erradas de gestão) terá como remédio o retorno da política do Estado mínimo. Segurar os gastos ou reduzi-los, no entanto, não é uma das missões mais populares, nem fáceis. E para anunciar os cortes, o desgaste, pelo menos a princípio, cairá nas mãos dos ministros.

Nos primeiros dias do Governo Temer ficaram nas mãos da sua equipe tratar de volta da CPMF (pelo ministro da fazenda,  Henrique Meirelles), a suspensão da construção de mais de 11 mil casas pelo programa Minha Casa, Minha Vida (pelo ministro das Cidades, o pernambucano Bruno Araújo) e a polêmica sugestão de redução do Sistema Único de Saúde (através do ministro da Saúde, Ricardo Barros). Mendonça Filho, além de assumir toda a rejeição pelo fim do Ministério da Cultura, também fez uma manifestação de apoio às universidades públicas que quiserem cobrar mensalidades. Todos temas com rejeição popular e que temos apenas pistas de qual seja o posicionamento do presidente interino. Não declarações.

Essa estratégia não é exclusiva desse momento. O mesmo ocorreu nos anos da presidente Dilma Rousseff. Mas como o período é de cortes e de poucas pautas que envolvem investimentos, os auxiliares do presidente assumirão a maior parte do desgaste desse primeiro momento de governo. E, diferente do governo FHC, em que haviam longos quatro anos para esperar as medidas terem seus resultados a serem mostrados, a gestão Temer – caso seja confirmada pelo Senado – terá apenas dois anos pela frente. Um jogo com menos tempo para ser avaliado.

 

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon