Festival Arte Como Respiro, do Itaú Cultural, nos últimos dias de pocket shows

Até o dia 31 de janeiro, sempre às 20h, o Itaú Cultural exibe em seu site www.itaucultural.org.br a programação de encerramento da edição de música do Festival Arte como Respiro. Ela reúne os últimos 51 artistas contemplados neste segmento, dentro da série de editais de emergência realizados pela instituição para apoiar artistas impactados pela suspensão social no contexto da pandemia do Covid-19.

Três pocket shows diários, trazem artistas de Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Compondo uma diversidade de ritmos como rock, rap, samba, jazz, forró, MPB e a música instrumental, cada performance, previamente gravada, permanece no ar por 24h para ceder lugar à próxima.

Hoje, Sexta-feira, 29, é a vez da compositora paranaense, Roseane Santos. Com foco nos ritmos afro-brasileiros, a artista apresenta suas músicas Pequena Ladainha de Cura, Ancestralidade, Valsa da Lua e Azeite Foice e Mel. Em seguida, a cantora Izzy Gordon, acompanhada do pianista Rogério Rochlitz, une o jazz e a bossa nova para mostrar suas composições autorais O que eu tenho pra dizer, Meu Canto e Luzia. Ela é seguida pela cantora e compositora Larissa Luz, que ganhou projeção nacional ao interpretar Elza Soares no musical Elza. A baiana mostra os ritmos afro-brasileiros em suas composições autorais Climão, Acreditar e Hipnose, canções do seu disco Trovão.

Abrindo o último fim de semana da programação, no sábado, dia 30, o compositor mineiro Maurício Tizumba chega com os ritmos da música afro brasileira nas suas canções Terra de montanha, Sá Rainha e A Criação. Em seguida, a cantora Lia Maia, atuante no cenário musical de Fortaleza, traz consigo a importância do levante da voz feminina, inspirada no fascínio da voz das cantoras da Era do Rádio. Ao som do samba, a artista cearense entra com suas canções Barriga Cheia, Sorte e Caô. Encerra a noite, o compositor potiguar Alan Persa ao som do rock acústico e reggae com suas canções autorais Um livro sem final, Permita-se e O que é que tem.

No último dia do Festival Arte Como Respiro, três artistas apresentam suas composições autorais. O domingo, 31 de janeiro, começa com o compositor mineiro, Paulo Santos. Com o projeto Pílulas Sonoras Caseiras, o artista explora novas possibilidades rítmicas em suas canções Flauta taques, Marimba de vidro e A trilobita. Em seguida, a compositora e gaitista paranaense Indiara Sfair une o blues e o jazz para executar as músicas Hopeful, Beatbox e Improvisação em Cm. Para concluir, a MC rondoniense Eva Dlong, representante do hip hop feminino da região norte do país, mostra suas canções Ice heart, Vim do norte e Avante.

Iniciado em julho de 2020, o Festival Arte como Respiro já exibiu, no site do Itaú Cultural, centenas de projetos de artistas de todos os estados brasileiros, das áreas de artes cênicas, música, artes visuais, audiovisual, literatura e poesia surda. Esses projetos foram contemplados dentro da série de editais de emergência realizados pela instituição para apoiar artistas impactados pela suspensão social no contexto da pandemia do Covid-19.

SERVIÇO:

Festival Arte como Respiro – Edição Música

De 15 a 31 de janeiro

Sempre às 20h

No site do Itaú Cultural: www.itaucultural.org.br

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon