Número de famílias endividadas se mantém estável em maio – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

Número de famílias endividadas se mantém estável em maio

(Com informações da Fecomércio-PE | Imagem: Freepik)

De acordo com a pesquisa realizada pela Fecomércio Pernambuco, em maio houve uma queda de 0,24% no número de consumidores endividados no estado, em comparação com o mês de abril. Aproximadamente 81,5% das famílias pernambucanas ainda estão endividadas, um valor próximo à média nacional de 78,3%. Já entre as famílias com renda de até 10 salários mínimos, 18,2% são incapazes de pagar suas dívidas no próximo mês.

O endividamento em Pernambuco apresentou queda nos últimos meses, mas ainda existem 426.148 pessoas endividadas no estado. Entre elas, 32,6% estão inadimplentes. O cartão de crédito é a principal fonte de dívidas, responsável por 93,8% dos casos. O carnê também é uma opção comum, especialmente para consumidores que preferem evitar o uso do cartão. Além disso, o financiamento de carros é adotado por famílias de renda mais alta, e espera-se que essa prática aumente com as medidas de incentivo do governo para a compra de veículos.

Gráfico: Porcentagem (%) de endividados em Pernambuco.

Fonte: PEIC/CNC; elaboração: Fecomércio-PE.

Apesar de três meses consecutivos de queda no endividamento, ainda existem 426.148 pessoas endividadas em Pernambuco. Aqueles que estão com dívidas em atraso representam 32,6% dos entrevistados, totalizando 170.561 inadimplentes. O aumento do desemprego no estado tem impactado os rendimentos familiares, levando ao aumento no número de endividados, enquanto os consumidores desempregados evitam contrair mais dívidas.

De acordo com a PEIC/CNC, o cartão de crédito é o principal tipo de endividamento, abrangendo 93,8% dos endividados. A ampla aceitação dos cartões de crédito incentiva seu uso pelos consumidores, especialmente para despesas de maior valor. O carnê é o segundo tipo de dívida mais comum em ambas as faixas de renda, devido à facilidade oferecida pelos varejistas, atraindo consumidores que preferem evitar o uso do cartão de crédito. Em alguns casos, essa opção pode até oferecer juros zero, o que incentiva ainda mais os clientes a optarem por essa forma de pagamento.

Além disso, o financiamento de carros é o terceiro tipo de endividamento mais comum entre as famílias de renda mais alta. Com as medidas do governo federal para subsidiar a compra de carros até R$120 mil, com descontos entre R$2 mil e R$8 mil, espera-se um aumento nessa prática nos próximos meses.

O atraso médio nos pagamentos das dívidas em Pernambuco é de 59 dias, enquanto no Brasil é de 63 dias. Cerca de 33% dos entrevistados relataram ter um tempo de comprometimento das dívidas entre 3 e 6 meses. É crucial destacar que o pagamento de juros, mora e multa é inevitável em caso de atrasos. Quanto mais rápido a dívida for quitada, melhor para o orçamento familiar, pois haverá mais renda disponível para consumo ou poupança. Portanto, é essencial reduzir ao máximo o tempo de atraso das dívidas, garantindo uma saúde financeira mais sólida aos lares.

Outro aspecto relevante, que dialoga com o problema da dívida, é o efeito da inflação. Os dados do Boletim Focus mostram que há uma expectativa de queda na inflação até o fim do ano, o que pode contribuir para o aumento do poder de compra dos consumidores. O economista da Fecomércio, Rafael Lima, destaca: “Os dados sobre inflação do boletim Focus do Banco Central do último mês trazem otimismo principalmente para as famílias de renda mais baixa, que é o grupo mais lesado com a inflação. A redução da taxa de inflação pode corresponder a um aumento de renda disponível, que ajuda no consumo e a quitar dívidas. Em contraponto, o alto desemprego em Pernambuco reflete principalmente nas famílias que não terão condições de pagar as dívidas contraídas, sendo enquadrados como inadimplentes”.

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon