Por que os escritores vão às salas de aula III – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

Por que os escritores vão às salas de aula III

*Por Paulo Caldas

Perguntada por que vai às salas de aula, a escritora Rosângela Lima, explica. “Porque lá é possível, por exemplo, propor que as crianças alterem as aventuras vividas pelos personagens ou que incluam alguns novos. Lá, podemos considerar pontos de vistas diferentes, enfim estar em contato direto com o leitor e sentir de perto que podemos sim, fornecer a elas referenciais que enriqueçam seu repertório. Só com o contato direto com as crianças na sala de aula é que eu poderia ouvir “pérolas” como essa:
– Quem vai ao casamento do Pato? Perguntei antes de ler o meu livro com esse título; quase todas as crianças levantaram a mão, apenas uma baixou a cabeça e fez sinal negativo com a cabeça; no que eu perguntei?
– Por que você não vai ao casamento do pato?
– É que sábado eu vou pra Gravatá!”

Quanto a sua receita para escrever literatura infantil, detalhou: “Conviver diariamente com elas (no meu caso, há 32 anos). Ouvi-las, percebê-las curtir as situações, surpreender-se com suas ideias, além de beber na fonte de lembranças e experiências pessoais. Algumas das minhas histórias confirmam essa ideia”.

Rosângela acredita que a sua visita contribuiu para a formação do hábito da leitura. “Discutir com as crianças a motivação e as estratégias de criação, amplia bastante seu modo de olhar para as histórias, a maneira de compreender os textos. Assim percebo que há toda uma energia contagiante incentivando-as na produção oral e escrita. O contato é mágico, trata-se de uma troca de afetividade. Além de gratificante, é muito prazeroso”.

Sobre o que eles (alunos) mais questionam, comentou. “É engraçado, além de percebê-los me fitando como se eu não fosse de ‘verdade’, as perguntas que ouço com maior frequência são de conteúdo pessoal:
– Você escreve com óculos?
– Eu vi sua foto na capa do livro;
– Eu já li outro livro seu, meu amigo tem um também;
– Com quantos anos você começou a escrever?”

Com relação aos seus livros de maior aceitação nas escolas, disse: “Fico feliz em responder a pergunta por ter publicado 12 livros que, na maioria são bem aceitos nas escolas, porém eu poderia destacar alguns como: ‘Você vai ao casamento do Pato? ’; ‘O aniversário do rei’; ambos adotados na rede pública estadual, ‘Beijo de bicho’ (PNBE-obras complementares); ‘Banho de bicho’; ‘Um pomar de histórias’”, finalizou.

O escritor Paulo Caldas foi um dos pioneiros na prática de visitar as salas de aula em Pernambuco. “Lembro que ao lado de Jussara Kouryh e Rubem Rocha Filho, arregacei as mangas na missão de levar nossos textos às escolas, conversar com alunos e educadores, até em reunião de pais e mestres compareci, isso lá pelos anos de 1980. Meus títulos, voltados para o público infantil, especialmente ‘Era uma vez um quintal’, ‘Asas pra que te quero’ e ‘República dos bichos’, levaram de um jeito subliminar exemplos de coragem, solidariedade e cuidados com o meio ambiente, ou seja, esses e outros valores disfarçados de histórias de bichos humanizados. Minha preocupação sempre foi desmistificar as figuras dos super-heróis, que conseguem seus feitos por meio da força e das armas. Assim criei os anti-heróis, pequenos animais inteligentes, que contornam os obstáculos pela via da astúcia e entendimento.
Mais adiante, com ‘Flores para Cecília’, ‘As faces do escorpião’, ‘A cor da pele’ e ‘O sol além da minha rua’, do mesmo modo sutil, adotei variações em torno do preconceito, também disfarçados em textos que contemplam os usos, costumes, gostos e preferências de adolescentes e jovens. Acredito que as mensagens, embora ocultas, fizeram efeito desejado, o que me traz a sensação de ter colaborado na formação daqueles meninos e meninas de ontem, cidadãos de hoje”. Finalizou.

paulocaldas

*Paulo Caldas é escritor

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon