Socorro (por Bruno Moury Fernandes) – Revista Algomais – a revista de Pernambuco
Ninho de Palavras

Ninho de Palavras

Bruno Moury Fernandes

Socorro (por Bruno Moury Fernandes)

Em recente almoço, um cidadão de bem que diz me querer bem, durante conversa sobre vacina em crianças, perguntou-me em tom desafiador e provocativo, se eu daria vacina aos meus filhos. O tom da pergunta e o papo que antecedeu a esta indagação, trazia uma carga política/ideológica na discussão, como tem sido comum. Mas o mais decepcionante, e daí o tom desafiador na indagação, é que o cidadão – membro de uma determinada seita bovina – conhece profundamente sobre algo particular na minha vida: o autismo no meu filho. Sabe ele também, porque já conversamos sobre isso, que existem estudos que indicam que vacina (especificamente a tríplice viral) pode ser um gatilho para aquelas crianças que possuem predisposição genética a desenvolver o autismo, tese que apesar de não encontrar aceitação na comunidade científica internacional, assusta qualquer pai que ame e cuide dos seus filhos.

Então, no fundo, o que estava por trás da discussão, além da defesa à política negacionista, era a tentativa de me constranger perante as demais pessoas, a fim de se levantar o tão sonhado troféu do “eu tenho razão” ou “o que fará agora este comunistazinho de merda?” Afinal, o que eu poderia argumentar ou fazer diante da minha fragilidade humana? Essa fragilidade emocional diante de tema tão caro a mim e a minha esposa, parecia ser o prato principal daquele almoço. Uma farta refeição para fascista se esbanjar e se lambuzar com o molho da minha dor e, de sobremesa, o meu sofrimento.

Esperava o cabeça branca que eu caísse no mesmo erro que ele: politizar o tema vacina. Mas eu me recuso a cair nessa. Eu tenho admiração por ideias de esquerda e tomei remédio de combate a verme lá no início da pandemia, amigo. Por aí você tira. Minha resposta, a qual ele provavelmente não conseguiu ouvir, porque como todo fascista não se interessou pelo diálogo, foi a de que eu não sabia o que fazer.

Ele aumentou o som e não ouviu eu dizer que realmente não sei o que fazer diante da possibilidade de vacinação dos meus filhos. A única coisa que eu sei é que vou seguir a ciência e me recuso a dar ou deixar de dar vacina aos meus filhos com base na opinião de miliciano. Eu quero ouvir a ciência! Somente a ciência.

Mas e quando nem mesmo a ciência se entende sobre o assunto? O que fazer? Neste mesmo almoço, um médico que estava presente me orientou a não vacinar as crianças em hipótese alguma, alegando inclusive problemas cardíacos que a vacina pode desenvolver nos rebentos. Uma semana antes, em sentido oposto, num encontro de amigos, outro médico me disse que seria uma irresponsabilidade caso eu não vacinasse meus filhos.

A Anvisa diz que eu devo vaciná-los. A Presidência da República, para ser ameno, parece não ter muita simpatia por essa orientação. O médico do meu filho, em Florianópolis, diz que eu não devo vacinar. A médica do meu filho, no Recife, diz que eu seria um idiota caso eu não vacinasse as crianças. Diante de tudo isso, só me resta pedir socorro à medicina, aos cientistas, ao Cremepe, ao Papa. Peço socorro a Deus. Ao cidadão que tentou me jantar em pleno almoço, peço perdão por não o ter amado suficientemente para dele merecer respeito e compaixão. Diante de tantas opiniões antagônicas e desencontradas no Brasil de hoje, em plena pandemia, peço a Deus que traga a cura para a maior de todas as canalhices já vistas, que é a de politizarmos esse tema tão crucial em nossas vidas: a vacina!

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon