Reflexões sobre a educação na contemporaneidade – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

Reflexões sobre a educação na contemporaneidade

*Por Henrique Nelson da Silva

Se convencer uma criança ou adolescente a deixar os seus jogos eletrônicos e redes sociais um pouco de lado para acompanhar o almoço da família é difícil, imagina despertar o interesse desses jovens na escola. A Educação no século XXI exige dos profissionais da área a adoção de atitudes e posturas diferenciadas, e do enfrentamento de problemáticas.

Primeiramente, atividade docente requer que os profissionais estejam atentos às mudanças nos usos da linguagem e da tecnologia, na verdade os dois aspectos estão interligados. A tecnologia exige uma comunicação cada vez mais rápida e suscita, ao mesmo tempo os estudantes contemporâneos gozam de um conjunto de informações imensamente maior que há cerca de vinte anos atrás. O grande desafio dos docentes, adequar a linguagem, torná-la dinâmica, dialogar com as tecnologias e explorar uma imensidão de informações sem, contudo, ser superficial. O caminho é se antecipar e usar a tecnologia ao nosso favor sempre que possível.

O segundo aspecto refere-se à formação. Este talvez seja um ponto ainda mais sensível aos profissionais da Educação. De modo geral existe uma grande defasagem entre a produção das universidades, e o que está sendo ensinado nas escolas; acompanhar essas produções têm sido um grande desafio em qualquer campo de estudo. Investir em formação é uma tarefa que cabe aos governantes e aos próprios professores, que para isso precisam ter condições materiais para passar menos tempo em sala de aula para poderem estudar.

O terceiro aspecto trata-se de uma visão essencialmente instrumental do conhecimento. Cada vez mais busca-se associar os saberes a uma ação produtiva específica. Em outros termos, esses saberes só podem ser reconhecidos se associados imediatamente a um produto. Se por um lado o discurso de que os conhecimentos ensinados precisam ter um sentido para os estudantes, esse discurso tem se tornado perigoso quando o termo sentido está diretamente associado a um objeto, a uma ação palpável, e pior, rentável financeiramente.

E neste sentido observamos que os conhecimentos no campo das humanidades têm sido bastante questionados por parte da sociedade. É como se a construção de uma postura crítica, de instrumentos e conceitos não fossem importantes ao ponto de terem os seus lugares consolidados no mundo do conhecimento. E justamente por isso que nas pouquíssimas discussões sobre a reforma na Educação, chegou-se a questionar a permanência da Filosofia e Sociologia no currículo escolar. Aliás, a própria reforma no Ensino Médio já expressa uma perspectiva instrumental do conhecimento.

Não temos dúvidas de que precisávamos realizar mudanças, todavia penso ser condenável um encaminhamento que pensa primeiramente no mundo profissional, onde a construção de sujeitos críticos, autônomos e com uma visão de mundo mais ampla devesse ser o objetivo central. Pensamos que um profissional qualificado começa pela construção de um ser humano com maior capacidade de leitura acerca do seu mundo.

InShot_20170212_182927

*Henrique Nelson da Silva é mestre em história e professor do Colégio Patrícia Costa de Olinda


Todas as segundas-feiras estamos publicando artigos sobre tendências da educação.

LEIA TAMBÉM

Educação Cidadã (por Eduardo Carvalho – ABA Global Education)

Ensino x Aprendizagem (por Armando Vasconcelos – Colégio Equipe)

Navegar é preciso, produzir também (por Jaime Cavalcanti – CBV)

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon