Riscos da Covid-19 são maiores para pessoas obesas

Em tempos de avanço de casos de covid-19 e alta taxa de ocupação de leitos, quem tem problemas com a balança deve atentar para o sinal vermelho. É que a obesidade aumenta o risco de se desenvolver as formas mais graves da doença, inclusive com maior risco de morte. Essa relação é preocupante, considerando que o calendário de vacinação da pandemia deve se estender até 2022 e baixar a guarda em relação à alimentação e hábitos de vida, neste cenário, podem trazer consequências perigosas.

O alerta é da médica endocrinologista Karina Santos, que atua na linha de frente do combate à doença, na rede municipal do Recife, e é membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e da Endocrine Society (EUA) .

Para se ter uma ideia, 62% da população adulta do Brasil está acima do peso (com sobrepeso ou obesidade), o que sinaliza que, em caso de contaminação, milhões de pessoas estão sujeitas a complicações graves em decorrência da covid-19 e dificuldades no tratamento.

Esse tema foi abordado em estudos realizados na Califórnia (EUA) e no Reino Unido e as conclusões são preocupantes. A pesquisa apontou que o risco de morte para doentes da covid-19 com obesidade do nível 1 (ou seja, pessoas com índice de massa corporal, IMC, de 30 a 34,9) é 23% maior. O IMC é um indicador para avaliar se a pessoa está numa faixa de peso ideal – proporcional a sua altura.

O estudo concluiu que esse risco é 81% maior para os doentes com obesidade do nível 2 (IMC entre 35 e 39,9). E se a obesidade for de nível 3 (IMC acima de 40), o risco de que o coronavírus leve a óbito é praticamente o dobro em relação a um paciente na faixa de peso ideal.

Por que quem tem excesso de peso corre maior risco?
Um dos fatores que contribui para que a letalidade do coronavírus seja maior em quem está acima do peso é que os obesos têm uma capacidade limitada de inibir a replicação viral. Dessa forma, quando infectados pela covid-19 apresentam uma carga viral maior quando comparados a outros doentes.

Além disso, na covid-19, ocorre algo uma reação exagerada do corpo ao vírus, levando à produção de proteínas chamadas de citocinas inflamatórias, que provocam inflamações em todo o corpo. Vale ressaltar que os obesos já apresentam um tipo de inflamação crônica de baixo grau que, somada aos efeitos do coronavírus, acaba levando a um quadro mais grave.

Outro fator que contribui para a chance maior de formas mais letais nos obesos, segundo dra. Karina Santos, é o aumento do risco de tromboses – formação de coágulos que bloqueiam o fluxo do sangue – que podem evoluir para uma embolia.

Um problema adicional é a dificuldade de ventilação mecânica, já que a gordura em excesso prejudica a expansão dos pulmões. Até procedimentos simples do tratamento, como colocar o paciente deitado de barriga para baixo, se tornam mais complicadas em pacientes com esse perfil.

A lista de complicações não para por aí: a obesidade também está associada a outras doenças, como a diabetes do tipo 2, que eleva o risco de agravamento.

Problemas com a balança pioraram na pandemia
“A associação entre excesso de peso e risco de morte por coronavírus se torna mais preocupante considerando que muitas pessoas que não tinham esse problema engordaram na pandemia e outras que já tinham sobrepeso ou eram obesas ganharam ainda mais peso”, destaca a especialista.

“Isso porque a fase do isolamento social, no 1º semestre de 2020, gerou efeitos colaterais para uma parcela da sociedade, como sedentarismo, ansiedade, aumento no consumo de alimentos processados e até um consumo maior de álcool”, explica.

A médica ressalta que, mesmo após a flexibilização das medidas restritivas no 2º semestre do ano passado e a reabertura das academias e outros locais de atividade física, muitas pessoas que ganharam peso não conseguiram emagrecer. “Entre outros fatores, um deles é o medo que muita gente ainda tem de ir para esses locais em meio a uma pandemia”, detalha.

Um dos termômetros para avaliar o crescimento ou agravamento dos casos de obesidade é justamente o aumento no número de pacientes nos centros especializados em emagrecimento. No consultório de Karina Santos, por exemplo, a demanda teve uma alta de 40%, liderada pelas mulheres.

Tratamento pode incluir uso de medicamentos
A médica explica que o tratamento para quem tinha peso normal e brigou com a balança na pandemia, assim como o de quem já tinha um quadro de obesidade e piorou em meio à covid-19, é semelhante.

O tratamento envolve check up completo, dieta com acompanhamento de um nutricionista, redução do consumo de bebidas alcoólicas, atividade física (em casa ou em academia, com supervisão de um personal trainner) e, se for o caso, tratamento para outras doenças associadas ao excesso de peso, como diabetes, hipertensão e problemas cardíacos.

Se o quadro envolve pressão alta e doenças cardiovasculares, o paciente será acompanhado por especialistas da área. E se o nível de peso exigir, o tratamento inclui medicações para emagrecimento.

No geral, a melhoria da qualidade de vida, alimentação, atividade física e fortalecimento do sistema imunológico contribuem para que o paciente com excesso de peso e que passou por um tratamento adequado para emagrecimento tenha mais chance de resistência às formas graves da covid-19. Esse é o posicionamento de instituições como a Federação Latino-americana de Obesidade.

A entidade, que tem trabalhado para conscientizar a sociedade sobre esse tema, defende que o emagrecimento associado a um quadro de vida saudável, reeducação alimentar e práticas esportivas surtem efeito em relação a reduzir o risco de formas mais grave da covid-19 ou de vir a óbito.

“Além das conclusões dos estudos nos Estados Unidos e na Inglaterra e do posicionamento da federação, a experiência tem comprovado que, de fato, pessoas obesas e que perderam peso acompanhadas por especialistas e contraíram a covid-19 têm mais chance de, se forem contaminadas, desenvolver formas mais leves da doença e reagem melhor ao tratamento do coronavírus”, sustenta Karina Santos.

“E uma informação que faz toda a diferença para quem tem problemas com a balança e que serve de motivação é que mesmo pequenas reduções de peso diminuem o risco de complicações da covid-19”, conclui.

Deixe seu comentário

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon