Soluções para o Recife não afundar

Por Rafael Dantas

As mudanças climáticas saíram das páginas de ciência ou de meio ambiente para o noticiário cotidiano. As chuvas estrondosas que inundaram a capital pernambucana no ano passado, as enchentes que acometeram recentemente o Rio Grande do Sul e a seca que atinge o Rio Negro, no Amazonas, são cenas de um mesmo filme. A urgência de preparar as cidades para esses cenários extremos foi discutida no Seminário Recife Cidade Parque — Carta do Recife do Futuro para o Recife do Presente que apontou as vulnerabilidades do País frente à rápida transição que o mundo enfrenta. O evento foi organizado pelo Recife Cidade Parque — Plano de Qualidade da Paisagem, projeto de pesquisa, fruto de convênio entre a UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e a Prefeitura do Recife.

“Nós somos um dos países mais vulneráveis do Planeta”, alertou o vice-reitor da UFPE, Moacyr Araújo, que também é coordenador da Rede Clima e um dos maiores conhecedores das transformações climáticas no Brasil. No contexto do País, o Recife é uma das cidades ameaçadas, sendo classificada pelo IPCC (Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas) como a 16ª cidade com maior vulnerabilidade às alterações climáticas em escala global.

MUDANÇAS MAIS ACELERADAS

Segundo o pesquisador, a combinação do movimento da Terra e dos ventos resulta em uma maior acumulação de água quente ao longo da costa brasileira. Isso ocorre porque esses fatores empurram o volume hídrico em direção ao nosso litoral. O aquecimento dos oceanos também desempenha um papel fundamental nesse cenário, de acordo com Moacyr. Quando os oceanos se aquecem, eles tendem a se expandir, ocupando mais espaço. Para explicar isso, ele fez uma analogia com o efeito de ferver água em uma panela, que leva à expansão do líquido, fazendo-o transbordar. Da mesma forma, o aquecimento das águas oceânicas faz com que o nível do mar aumente, contribuindo para o problema da elevação, que atinge principalmente as cidades mais baixas, como o Recife.

Moacyr destacou ainda que a mudança na temperatura da Terra e seus efeitos na vida das cidades chegaram muito antes do que previam os especialistas. Algumas projeções de fenômenos estimavam que aconteceriam daqui a 50 anos ou mais, porém seus sinais já são sentidos em pleno 2023.

“Estamos com uma taxa de aumento do nível do mar cerca de 2,5 vezes mais intensa do que a média de todo o século passado. O que significa isso pra gente? Significa que, de fato, está aumentando o nível do mar, mas que está aumentando a uma velocidade mais rápida do que a gente imaginava”, advertiu Moacyr Araújo.

BAIXA DO NÍVEL DAS CIDADES

Além do avanço do mar, Moacyr ressaltou ainda outro problema que é mais difícil de mensurar, a subsidência: afundamento gradativo da superfície da Terra. “Nós hoje não sabemos o nível de subsidência das nossas capitais. A subsidência é quando começa a afundar. E Pernambuco e o Recife, com sua região metropolitana, são locais de subsidência, claramente. Isso está já cientificamente comprovado”, assegurou.

Em Maceió, por exemplo, há um problema de afundamento de pelo menos cinco bairros, provocado pela mineração de sal- -gema da empresa Braskem. No seminário, o pesquisador explicou que esse processo de subsidência pode ser também natural. Quando a elevação do nível das águas soma-se ao rebaixamento da superfície das cidades, a equação impõe desafios que demandam soluções amplas e estruturais, segundo os pesquisadores.

LIÇÕES DA EUROPA E DA CHINA

“É o momento de começar a projetar extremos”, conclamou a pesquisadora Mila Avellar, que realiza pesquisas no Instituto para Educação das Águas (Unesco/Governo Holandês). Ela discorreu sobre as lições do intercâmbio internacional Holanda-China-Recife para enfrentar o aumento do nível do mar. Há mais de 10 anos, os diálogos entre a capital pernambucana e Amsterdã têm gerado documentos, projetos e utopias de como o Recife pode se preparar para os efeitos das mudanças climáticas de forma menos traumática, promovendo mais qualidade de vida para os seus moradores. “O aumento do nível do mar é apenas um dos ‘n’ efeitos dessas mudanças climáticas. Então acho que isso só acende um grande alerta e um senso de urgência em todos nós de que o futuro não é amanhã, não é hoje, é ontem”, declarou Mila.

A pesquisadora considera que a sociedade não discute ainda de forma ampla a necessidade de um novo design e um projeto holístico para as cidades, que se adapte às mudanças climáticas. Por outro lado, Mila avalia que a frequência mais elevada do nível dos acidentes promovidos pela transição que o Planeta atravessa tem sensibilizado contingentes maiores da população a dar mais atenção ao tema.

Ao comparar imagens de grandes calamidades da China e lembrar de eventos recentes do Recife e de outras cidades, a pesquisadora reforçou no encontro a amplitude dessa agenda. “Estamos lidando com eventos e desafios compartilhados”. As experiências internacionais apontam para a necessidade de se planejar o que tem sido chamado de cidades-esponja, aquelas que têm alta capacidade de absorção das águas das chuvas. Entretanto, ela lamenta que os esforços na maioria das cidades, hoje, se concentram em outra direção, isto é, de acelerar a velocidade das águas em direção ao mar. “As cidades esponjas visam absorver nas cidades 70% da carga de chuva anual. Os chineses têm um plano ambicioso de que em 2030 todas as cidades piloto dos planos de ‘Sponge Cities’, atinjam em mais de 80% da sua área as metas de absorção máxima”, exemplificou.

Outro princípio que tem norteado a preparação das cidades para os eventos extremos é o de 3PA, que é uma avaliação em três pilares. Um deles é a preparação da cidade para eventos naturais do seu cotidiano. O segundo é uma atenção para como a estrutura das cidades poderá absorver as águas no momento em que o espaço urbano começa a falhar, com alagamentos e inundações. Além desses dois, o modelo propõe uma leitura para as situações de catástrofes naturais, que são os eventos mais desafiadores, mas que estão se tornando mais recorrentes no Planeta.

“Para cada um desses pontos, o nível de complexidade tende a aumentar. Muitas vezes, conseguimos solucionar os eventos do dia a dia dentro de uma escala de bloco, de bairro. A partir do momento em que esses eventos começam a se tornar mais intensos, quando a cidade começa a alagar e inundar, a complexidade aumenta mais e a escala de intervenção também. Muitas vezes atinge a escala da cidade inteira. Mas quando se chega em eventos extremos é o mais desafiador porque temos que pensar no conjunto das bacias completamente articuladas entre si. Ao se colocar o aumento do nível do mar, a Holanda não pensa só a frente marinha, mas no território como todo. Essa é uma das grandes lições a dimensão holística”, afirma Mila Avellar Montezuma.

O HORIZONTE RECIFENSE

A capital pernambucana conta com um estudo, fruto da articulação da universidade, do poder público e de diversas organizações nacionais e internacionais, para preparar a cidade para o enfrentamento às mudanças climáticas e para promover maior qualidade de vida para sua população. Durante o evento, Roberto Montezuma e Luiz Vieira, professores do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPE, apresentaram as linhas iniciais do “Recife Cidade Parque, um projeto de redenção urbana”.

Mais que uma pesquisa acadêmica, a projeção do futuro da cidade já tem alguns primeiros projetos executados, através do Parque Capibaribe, como a implementação do Parque das Graças e do Jardim do Baobá. A proposta do Recife Cidade Parque, é trazer uma abordagem holística para o município a partir das três principais bacias, incluindo dessa forma também as do Rio Beberibe e do Rio Tejipió. A proposta é beneficiar não apenas as bordas do rio, mas estendendo esse conceito de parque para 500 metros de cada lado dos cursos d’água.

“O Recife é um anfiteatro natural, que se estrutura por essas três bacias e mais a frente marinha. Não é uma invenção metodológica, mas algo que emergiu da própria estrutura da cidade. É um conjunto de espaços de inclusão, por natureza de espaços públicos”, conta Roberto Montezuma.

O conceito apresentado engloba a conciliação da cidade com a natureza, honrando o lugar das águas, com diretrizes urbanísticas sensíveis às pessoas. Na prática, o projeto propõe a criação de um corredor ecológico articulado nas três bacias da cidade, recuperando a vegetação nativa, construindo espaços públicos e promovendo uma limpeza das águas, com o aumento das superfícies porosas. O projeto em sua origem propõe a adoção de estratégias de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

“É um projeto sensível à natureza, que concilia o meio ambiente, a cultura e as pessoas. Essa é uma das questões da nova tendência do urbanismo como paisagem. Se as pessoas não têm uma identidade com o parque ou com qualquer espaço público, não funciona”, afirmou o professor Luiz Vieira.

O projeto Parque Capibaribe, por exemplo, tem uma zona de influência no território recifense que abrange 30 km de extensão das margens dos rios, que se expandem para uma zona parque 140 km com as ruas de infiltração, impactando 44 bairros. Dessa forma, o Recife Cidade Parque abrangeria 30% do território do município.

Francisco Cunha, arquiteto e consultor da TGI, ressaltou o caráter inclusivo do Projeto Recife Cidade Parque, que além de promover a qualidade de vida dos habitantes, ampliar a área verde e de lazer da cidade, contribuir para a absorção das águas da chuva também visa ao bem-estar das populações mais vulneráveis economicamente. “Esse projeto se articula com outros, como o Compaz que tem como lema ‘o melhor para os mais pobres’. Áreas que sofreram intervenção, como o Parque das Graças, são frequentadas por pessoas de todas as classes. Destaco também que o projeto abrange as bacias do Tejipió e Beberibe, onde predomina a população de baixa renda e que também serão transformadas para integrarem a cidade-parque”, esclarece o arquiteto.

A partir do esforço da universidade, da sociedade e do poder público foi traçada uma trajetória para reinventar o Recife. Como indicam as tendências globais de quem está alguns passos à frente no enfrentamento à era dos extremos, o projeto para a capital pernambucana é holístico e especialmente desenhado para o território da cidade. A velocidade da execução desse plano e a manutenção dele ao longo das mudanças de gestão pública são desafios que demandam uma apropriação da população do projeto, que se propõe a ser de estado e não de governo.

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon