Virose, um diagnóstico vago? – Revista Algomais – a revista de Pernambuco

Virose, um diagnóstico vago?

Quem nunca saiu irritado de um consultório médico após receber um diagnóstico de virose, que atire o primeiro comprimido de anti-inflamatório. A sensação é de que os médicos já não sabem mais detectar com precisão uma simples gripe. Mas a história não é bem assim. Não é tão fácil quanto se pensa descobrir com exatidão qual a doença que acomete o paciente. Isso porque vários tipos diferentes de viroses – como gripe, dengue, zika, resfriado, mononucleose, entre outras – apresentam sintomas semelhantes, como febre, dor de cabeça, fadiga.
Mas, afinal, o que é virose? “É toda infecção causada por vírus”, responde o infectologista Filipe Prohaska, do Hospital Português. Uma doença infecciosa também pode ser causada por outros tipos de micróbios – ou como dizem os especialistas micro-organismos – como como fungos e bactérias.
Mas, segundo Prohaska, cerca que 90% das pessoas atendidas nas emergências com infecção possuem sintomas clássicos provocados por vírus. As viroses, porém, compõem uma gama ampla de doenças, desde um resfriado, passando pela dengue, zika, até hepatites e Aids. Boa parte daquelas que acometem os pacientes, no entanto, é benigna, os sintomas desaparecem em menos de uma semana.
Além de apresentarem sintomas semelhantes, as viroses são causadas por micro-organismos que muitas vezes são difíceis de serem detectados em exames. “Muitos vírus não alteram tanto o teste laboratorial”, explica o infectologista. Na Europa, de acordo com Prohaska, já existem exames que identificam de forma mais precisa 20 tipos diferentes de vírus. A má notícia, porém, é que custam cerca de R$ 4 mil. “O custo benefício não vale a pena. Essa é uma vertente para o futuro”, estima o médico.

Filipe Prohaska
Filipe Prohaska

Para algumas viroses, como a dengue, já existem testes disponíveis no País. É a sorologia, obtida por meio do hemograma. Por isso, quando você vai à emergência com sintomas de infecção o médico, muitas vezes, solicita um exame de sangue. Nele são identificados os anticorpos presentes no seu organismo, que são uma espécie de exército de defesa do nosso corpo capaz de combater os micro-organismos. Para cada tipo de vírus, existem anticorpos específicos para combatê-los.
A dengue, por exemplo, é diagnosticada pela presença de anticorpos chamados  IgM e IgG. Mais recentemente a virose também é detectada pela presença de um antígeno – substância que produz anticorpos – chamado NS1. Mesmo nesse caso, porém, o diagnóstico não é tão simples de ser feito. Se o resultado der negativo para a presença dessas substâncias não significa que a pessoa não esteja com a doença.
“Os anticorpos, muitas vezes, demoram a aparecer nos testes e só por volta do sétimo dia a contar do início da doença, é que vão ser detectáveis”, esclarece Danylo Palmeira infectologista dos Hospitais Jayme da Fonte e Português. Resultado: a pessoa tem o vírus mas o exame não é capaz de identificá-lo.
Apesar dessas dificuldades, você pode ajudar o médico nessa difícil arte de diagnosticar a virose, oferecendo o maior número de informações sobre os sintomas. Por isso, é fundamental a chamada anamnese, isto é o interrogatório que o especialista faz nas consultas com o paciente procurando detalhes para formar um diagnóstico. “Se alguém, por exemplo, reporta que está com tosse com secreção amarelada e febre, ao invés de um resfriado ou gripe, podemos estar diante de uma infecção bacteriana, sendo necessário o uso de antibióticos”, deduz Palmeira.
Não se espante se o médico não prescrever um medicamento quando você estiver com virose, porque não existem remédios que eliminem a grande quantidade de vírus que provocam a infecções como gripes, resfriados, dengue, rotavírus, entre muitos outros. Mas não se preocupe: em alguns dias a infecção desaparece. “Costumo dizer que o curso da doença não vai mudar com, sem ou apesar do remédio. O procedimento é usar medicamentos para aliviar os sintomas”, orienta Prohaska.
Assim, prescreve-se um analgésico para dor, um antiemético para vômitos, antitérmicos para febre. Fique longe, porém, dos anti-inflamatórios se estiver com suspeita de dengue. “Nesse caso, pode provocar hemorragias”, alerta Danylo Palmeira. Nem pense também em tomar antibióticos. Eles só combatem bactérias.

ÁGUA
É importante tomar muita água pois o corpo se desidrata quando sofre uma infecção. Isso acontece porque nos vasos sanguíneos não há apenas sangue, mas água também. A febre provoca uma dilatação nos vasos expulsando essa água para outras partes do corpo. “Hidratar-se é fundamental para evitar queda da pressão arterial”, explica Palmeira, alertando que a hipotensão pode levar ao choque, um estado potencialmente letal para o organismo.
Crianças e idosos devem ter atenção especial quando são acometidos por infecção, porque não costumam tomar muita água. Cuidado redobrado também com pessoas com baixa resistência, como indivíduos em tratamento oncológico, com Aids ou grávidas devido à fragilidade do seu sistema de defesa.
Também é muito importante estar atento aos sinais de alerta que podem indicar um quadro mais grave. Caso a pessoa com virose sinta dor abdominal intensa, alteração de comportamento (ficar desorientada ou até agressiva), alterar o nível de consciência e ficar muito sonolenta, apresentar queda de pressão, desidratação, falta de ar, desmaios, começar a suar frio ou vomitar com muita frequência deve ser levada imediatamente para a emergência.
Mas na maioria das vezes as infecções virais que nos acometem não provocam grandes consequências e desaparecem depois de alguns dias. Durante a recuperação a dica fundamental é manter o repouso.
E, agora, que você já sabe o quanto é difícil detectar um vírus, não precisa mais ficar irritado quando receber o diagnóstico de virose. Descanse, tome bastante água e tenha paciência que logo, logo o vírus vai embora.

Deixe seu comentário
anúncio 5 passos para im ... ltura Data Driven na sua empresa

+ Recentes

Assine nossa Newsletter

No ononno ono ononononono ononono onononononononononnon